Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2013

FELIZ ANO NOVO -2014

FELIZ NATAL

A equipa da Biblioteca Escolar deseja a todos um FELIZ NATAL !

Festa de Natal na ESSL (8ºA)

Ver álbum

Nadir Afonso (1920-2013)

VER

CORTA-MATO ESSL (11/12/2013)

VER ÁLBUM

Discurso de Abertura–Debate com os Deputados

Bom dia. Gostaria de começar por agradecer a presença e a disponibilidade de todos para estarem aqui hoje. Estamos aqui para debater um tema que nos diz muito. "Desertificação e Empobrecimento no interior - Como combater?". Sendo que pertencemos a uma das populações mais afetadas por estes problemas no nosso país, quem melhor do que nós próprios para dizer aos nossos governantes e representantes nos órgãos políticos de dimensão nacional como nos sentimos e o que se passa na nossa cidade, no nosso distrito, na nossa região? Por esse motivo, contamos hoje com a presença de seis deputados da Assembleia da República, representantes de cada um dos partidos com assento parlamentar, que estarão ao nosso dispor para nos ouvir, para que os possamos questionar, para que possam debater connosco a indiscutível crise demográfica que Portugal enfrenta. Passo então a apresentar os deputados aqui presentes para quem peço um enorme aplauso. PSD - Cristóvão Crespo CDS/PP - João Viegas PS

«Escola de Portas Abertas»

  VER

O MOSTRENGO

Óleo de Carlos Alberto Santos O MOSTRENGO O mostrengo que está no fim do mar Na noite de breu ergueu-se a voar; A roda da nau voou três vezes, Voou três vezes a chiar, E disse: «Quem é que ousou entrar Nas minhas cavernas que não desvendo, Meus tectos negros do fim do mundo?» E o homem do leme disse, tremendo: «El-Rei D. João Segundo!» «De quem são as velas onde me roço? De quem as quilhas que vejo e ouço?» Disse o mostrengo, e rodou três vezes, Três vezes rodou imundo e grosso. «Quem vem poder o que só eu posso, Que moro onde nunca ninguém me visse E escorro os medos do mar sem fundo?» E o homem do leme tremeu, e disse: «El-Rei D. João Segundo!» Três vezes do leme as mãos ergueu, Três vezes ao leme as reprendeu, E disse no fim de tremer três vezes: «Aqui ao leme sou mais do que eu: Sou um povo que quer o mar que é teu; E mais que o mostrengo, que me a alma teme E roda nas trevas do fim do mundo, Manda a vontade, que me ata ao leme, De El-Rei D. João Segundo!» Fernando Pessoa