Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2010
Ser artista Ser artista é transportar na alma sentir Querer Crer amar Criar Acordar mundo Desabrochar infinito Noutro contemplar. Ser artista é ter de si alma Criar sentidos Prever desmentidos Ouvir Denunciar Esquecer Crer em mundos iguais Banais De sentir Desejos carnais. Ser artista é ser para lá do eterno É ser mais ser Onde o ser já não é Onde o ser se conquista Para lá da paixão Ser mais que amor Ser mais que pensar Ser de mundo dor. Ser artista é ter de si noticia Em mundo de si silenciado Por tentativa precoce De se anunciar De se sentir criado Ser artista é ser de poeta pincel É ter na alma criação Dominar de pensar técnica Construir Usufruir Criação estética. Ser artista é ser de si isolado Demonstrar pensar próprio Contradição Emancipação Ostentação Perdido de sentido De si criação. Ser artista é navegar Passar o cabo na tormenta Sentir saudade Olhar solidão Converter felicidade Pensar divindade Buscando novidade. Ser artista? É ser. Um estar, Um crer , Um amar, Um

OFICINA DE POESIA NA BIBLIOTECA MUNICIPAL

http://biblioteca.cm-portalegre.pt/

ÚLTIMO NÚMERO DO DISTRITO DE PORTALEGRE

Há 126 anos, nascia na cidade de Portalegre um jornal. Durante 126 anos, semanalmente, informou e formou gerações. Eis o rosto do último número. O Fim.

ACTUAÇÃO DA HALLITUNA (28/04/2010)

EXPOSIÇÃO

Exposição na Galeria de S. Sebastião “ARTES da S. LOURENÇO” De 7 a 14 de Maio de 2010 Os alunos de 10º ano (Artes), da Escola Secundária de S. Lourenço de Portalegre, expõem os seus trabalhos artísticos à Comunidade, na Galeria de S. Sebastião, no edifício da Câmara Municipal. Esta iniciativa deve-se ao empenho dos alunos das turmas I e H, em colaboração com os seus professores de Desenho, Português, História da Arte e Filosofia. Têm sido muito importantes as exposições patentes, ao longo deste ano escolar, tanto na Galeria do Museu de Tapeçarias Guy Fino, como na Galeria de S. Sebastião e que por eles têm sido vistas e analisadas. O primeiro passo foi estudar e ver obras de alguns artistas, como Cruzeiro Seixas, Artur Bual, Paula Rego, Miró, Martins Correia e Bert Holvast e Mário Cessariny, …e depois ensaiar algumas técnicas. O resultado foi surpreendente. De 7 a 14 de Maio de 2010, visite a exposição de Artes da S. Lourenço, na Galeria S. Sebastião em Portalegre.

TEATRO EM INGLÊS NO IPJ (OUTROS MOMENTOS)

À SEMELHANÇA DE CAMÕES, EM BUSCA DE UMA DEFINIÇÃO DE AMOR (10ºA)

Foto de João José Bica Amor é ser feliz e bem chorar É não ter caminho mas ser estrada É onde há tudo mas de repente nada É ir embora e não querer mais voltar. Ser amado é ter sorte e ter azar É ter a alma livre e aprisionada A sonhar voar mas a ser travada É poder ser simples mas complicar. Então porquê amar e porquê o amor? Porquê escolher chorar e não rir? Porquê a incerteza, tristeza e dor? Porque o amor é mais do que sentir, É não ter sonhos mas ser sonhador, Ter quem nos agarre antes de cair. Francisco Duque, nº 13 Joana Duque, nº 14 João Crastes, nº 15 José Antunes, nº 16 10º A

ALENTEJO

Em Portugal, há duas coisas grandes, pela força e pelo tamanho: Trás-os-Montes e o Alentejo. Trás-os-Montes é o ímpeto, a convulsão; o Alentejo, o fôlego, a extensão do alento. Províncias irmãs pela semelhança de certos traços humanos e telúricos, a transtagana, se não é mais bela, tem uma serenidade mais criadora. Miguel Torga, Portugal . ALENTEJO A pequena povoação as pedras Da calçada Os muros brancos – a ponta do telhado Se revira como a mão da bailarina Chinesa - A loja de barros: tigelas e cestos empilhados Cheira a palha e a barro Aroma de hortelã cheiro a vinho entornado Junto ao sol excessivo a penumbra fina. Sophia de Mello Breyner Andresen, O Búzio de Cós

DIA INTERNACIONAL DO LIVRO E DOS DIREITOS DE AUTOR

23 de Abril, Dia Mundial do Livro A data começou a ser celebrada a 7 de outubro de 1926, em comemoração ao nascimento de Miguel de Cervantes. O escritor e editor valenciano, estabelecido em Barcelona, Vicent Clavel Andrés, propôs este dia na Câmara Oficial do Livro de Barcelona. Em 6 de Fevereiro de 1926, o governo espanhol, presidido por Miguel Primo de Rivera, aceitou a data e o rei Alfonso XIII assinou o decreto real que instituiu a Festa do Livro Espanhol. No ano de 1930, a data comemorativa foi mudada para 23 de Abril, dia do falecimento de Cervantes. Mais tarde, em 1996, a UNESCO instituiu 23 de Abril como o Dia Mundial do Livro e dos Direito de Autor, em virtude de a 23 de Abril se assinalar o falecimento de outros escritores, como Josep Pla, escritor catalão, e William Shakespeare, dramaturgo inglês. (...) Zita Ferreira Braga http://hardmusica.pt/noticia_detalhe.php?cd_noticia=5077

LAÇOS E NÓS NA REDE (RBE) – ENCONTRO EM NISA

Um encontro para partilhar experiências que divulguem o livro. Várias vozes que tentam seduzir leitores. Nós e laços numa vila de artesãos e mestres. Nós e laços em busca de uma tessitura discursiva e sedutora que permita aproximar o texto de possíveis leitores. Laços e nós. Nós e laços. Todos.

A S. LOURENÇO EM SEVILHA

Secundária São Lourenço na Ilha Mágica Na passada quinta-feira, dia 15 de Abril, os alunos de Espanhol das turmas B,C,D,E e G do 10º ano, juntamente com as professoras de Espanhol Mafalda Nunes, Paula Guerra e Carla Fontes, docente de Biologia da Escola Secundária São Loureço em Portalegre, visitaram o parque temático Isla Mágica. A visita de estudo a Sevilha proporcionou aos alunos que nela participaram o alargamento de horizontes culturais e linguísticos e a oportunidade de pôr em prática o saber adquirido nas aulas de Espanhol em situações reais de comunicação. O parque em questão está ambientado na exploração do Nuevo Mundo que domina a cidade de Sevilha do século XVI, uma vez que esta era o ponto de partida das viagens para a América. Os alunos desfrutaram de um dia inesquecível e puderam recorrer e explorar cada uma das zonas que fazem deste parque, um paraíso de diversão e História. Entre as principais diversões encontram-se: Puerto de Indias; Quetzal, La Furia de los Dioses;

O Vulcão da Islândia

Ver Álbum Completo

UM POEMA

CANÇÃO HUMILDE Brisa de abril Toda perfume, Etéreo Nume Contigo vai! Pedrinha humilde No chão perdida, Do sol ferida És uma estrela. Negra ramagem, O céu tocando, Vai-se pintando De azul celeste. Gota de orvalho Tremeluzindo, Tens o sol rindo, Dentro de ti! Humildes cousas Que ninguém olha: Raminho ou folha Ou grão de areia, Tendes o encanto Mais que divino Que Deus menino Achou na terra... Teixeira de Pascoaes (1877- 1952) Bela. À Minha Alma. Sempre. Terra Prometida.

TEATRO EM INGLÊS NO IPJ DE PORTALEGRE

Realizou-se, no dia 15 de Abril de 2010, no IPJ, uma sessão de teatro em Língua Inglesa, representada pela companhia: Avalon Theatre. A Companhia de Teatro Avalon foi a primeira companhia profissional a representar em Inglês para o público escolar. A sua missão tem sido educar, esclarecer e divertir o público nos seus espectáculos. A peça apresentada foi uma comédia baseada na obra de Shakespeare: A Midsummer Night’s Dream . Este dia deixou nos alunos as memórias de um teatro dinâmico e divertido, e a esperança de que a companhia volte novamente, no próximo ano. Resumo da peça comédia da autoria de William Shakespeare , escrita em meados da década de 1590: O Duque Teseu prepara-se para casar com a rebelde Hipólita. Antes do casamento, Teseu é chamado para resolver uma disputa amorosa envolvendo a romântica Hermia e seu pai Egeu. Hermia ama Lisandro, mas Egeu quer forçá-la a casar com Demétrio. Como Teseu concorda com Egeu, Hermia e Lisandro decidem fugir para

JORNAL DA ESCOLA CRISTÓVÃO FALCÃO - PEDRAS SOLTAS

1ª Página (rosto) Recolha de fundos para o Haiti

ROTEIRO QUEIROSIANO (SINTRA), ALGUNS MOMENTOS

 

UM TEMPLO

  Um templo construí – muro e fachada - Sem a ideia de espaço projectada, Com o requinte de um barco engalanado; As paredes são feitas de meus medos, Os torreões de choro e pensar fundo - E esse estranho templo desfraldado Qual bandeira de morte, qual chicote Que fere e está na alma enrolado, É muito mais real que todo o mundo.   Alexander Search (Fernando Pessoa)

ABRIL, ÁGUAS MIL

Alentejo

ROTEIRO QUEIROSIANO – SINTRA – 12/04/2010, 11ºB, I

LEITURA DO CAPÍTULO VIII DE OS MAIAS DE EÇA DE QUEIRÓS, EM SINTRA "O quê! o maestro não conhecia Sintra?... Então era necessário ficarem lá, fazer as peregrinações clássicas, subir à Pena, ir beber água à Fonte dos Amores, barquejar na várzea... (…) Carlos, no entanto, pensava no motivo que o trazia a Sintra. E realmente não sabia bem porque vinha: mas havia duas semanas que ele não avistava certa figura que tinha um passo de deusa pisando a terra, e que não encontrava o negro profundo de dois olhos que se tinham fixado nos seus: agora supunha que ela estava em Sintra, corria a Sintra. Não esperava nada, não desejava nada. Não sabia se a veria, talvez ela tivesse já partido. Mas vinha: e era já delicioso o pensar nela assim por aquela estrada fora, penetrar, com essa doçura no coração, sob as belas árvores de Sintra... (…) - A Lawrence onde é? Na serra? - perguntou ele com a ideia repentina de ficar ali um mês naquele paraíso. - Nós não vamos para