quinta-feira, 28 de julho de 2011

UM OLHAR PARA O MUNDO

Um olhar para o mundo



Perdi o meu olhar

No meio do silêncio

Respiro outro ar

E não percebo o que sinto.


Lembro-me daquele momento,

Quando tinha...

O que será?

Será que era medo?

Talvez. Ninguém sabe.


Conheci pessoas novas

Umas boas, outras duras

Como a noite e o dia

Alguém falava, alguém sorria.


Abracei tantas ruas

Guardei muitas palavras,

Deixei de ser marcada

E já não me sinto o nada.


Mas vejo ainda os meus iguais,

A forma como usam as palavras

Tentando esconder

O que têm medo de perder

O desejo de pertencer,

O desejo de abraçar,

O desejo de amar.


Acções imprevisíveis

Que dominam aquele ser

Acções que são incríveis

Não gastando o seu poder.


Feliz, por estar aqui,

Feliz, por ter-te a ti,

Feliz, por saber o que é falar

De coisas sem pensar.


As casas, as flores,

As músicas e os sabores

Tudo me ajudou sentir

Ultrapassar e agir.


Esta árvore tem frutos

E folhas tão diferentes,

Há muitas ainda e muitos

Que nem sabem quem são eles.


A vida é um jogo

E nós, os jogadores nela

Não existe ainda aquele fogo

Capaz de apagar uma geração como aquela.


Senti a amizade

A entrar no coração

E lendo uma curiosidade

Descobri no final quem são.


Uma parte do meu “Eu”

Gosta de olhar para o céu,

Outra parte está contente

Por não ouvir “ele vai esquecer-te”!


Zinaida Mogildea, 11º A

Português Língua não Materna

quarta-feira, 27 de julho de 2011

MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO



Dispersão


Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto,
E hoje, quando me sinto,
É com saudades de mim.

Passei pela minha vida
Um astro doido a sonhar.
Na ânsia de ultrapassar,
Nem dei pela minha vida...

Para mim é sempre ontem,
Não tenho amanhã nem hoje:
O tempo que aos outros foge
Cai sobre mim feito ontem. (...)

Mário de Sá-Carneiro

segunda-feira, 4 de julho de 2011

REVISTAS DE BORDO

 

TAP

Nas revistas de bordo sucede quase sempre o mesmo: passamos os olhos pela página, em busca de uma simples distracção, de modo a que nos desviemos do confronto com a janela, afastados da heresia que é contemplar o céu a partir dos céus. Por outro lado, a revista de bordo é uma hospedeira em página impressa, um porteiro de nações, um massagista de almas atingidas por desfasamento de fusos horários. Estas eram as balizas, os estranhos limites às palavras voadoras.

Mia Couto, Pensageiro Frequente

Editorial Caminho